segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

CONFESSE


CONFESSE


Aceite,
Não pense.
Obedeça,
Não negue.
Relaxe...
Desmonte...
Não esqueça:
Se entregue.
Não esquente,
Não se estresse.
Mostre-se,
Confesse.
Tente!
Entenda!
E me ensine.
E me aprenda.
Demonstre,
Conserte,
Desconserte...
Sorria,
Afronte,
Enfrente!
E me conte.



Cacau Rodrigues

ELIXIR DO SEU SORRISO



ELIXIR DO SEU SORRISO


Sorria.
Dê luz às minhas manhãs.
Dê vida aos meus instintos.
Faça voar a minha mente sobre os campos de trigo,
As flores dos jardins, os manguezais.
Faça voar sobre lagoas e cascatas,
Mata fechada, mar aberto
E toda a natureza que eu puder viver.
Faça voar a minha mente até você.
Sorria.
Dê mais um bom dia,
Faça o meu coração vibrar.
Faça um encanto em meu olhar,
Faça feliz o meu desejo,
Minha vida por um beijo,
Deixe meu querer tocar você.
Sorria.
Minta se eu não for quem você ama,
Chame o ser aflito que lhe chama.
Sorria,
Me desconcerte, não desconverse,
Que eu vou lhe confessar.
Minha alma doente e solitária,
Cansada dessa vida puramente literária,
Implora o elixir do seu sorriso
Para se curar dos medos
Do amor, dos sonhos, dos segredos,
Da vida que escorre entre os dedos
E de tudo que eu preciso.
Sorria. Basta um sorriso.
Devolva a vida à minha vida,
Mostre que me entendeu.
Vamos, sorria.
Basta um sorriso seu.


Cacau Rodrigues

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

NÓS DUAS


NÓS DUAS


E nós duas nos beijamos...
Nos queremos,
Nos ardemos,
Nos deitamos,
Nos comemos.

Vadias como putas,
Donas de si, absolutas;
Eu sou o teu macho
E te faço minha fêmea;
E sabe o que eu acho?
É por isso que tu gozas...
Somos putas, vadias e nervosas.

Toco teu sexo com meus dedos, 

minha língua...
Te molho de suor e de desejo;
Esfrego minha cara em teus pelos;
Beijo, beijo... cheiro, mordo, beijo...
Te ponho de quatro, te bato...
Te deito em meu prato;
Te penetro, e te penetro, e te penetro...
Com meu brinquedo de amor;
Num misto enlouquecido de prazer e de dor.
Te devoro com fome de cem dias

e cem noites...
E descanso meu sexo de mentira,
Numa verdade que ninguém tira,
Inteiro dentro de ti.

Deixo em ti diversas marcas...
Para que jamais esqueças que eu te possuí.
Posto que um dia quando eu te deixar,
Se eu te fizer chorar,
Tu olhes para o teu corpo, que já devorei,
E lembres que mesmo sendo como sou,
De alguma forma eu te amei.



Cacau Rodrigues

INVASÃO


INVASÃO


Estou aqui, amada única.
Vim fazer-te mais minha,
Vim deixar-te mais viva,
Vim pra ser só tua.
Vim na solidão da noite, pela rua;
Vim mostrar quem manda aqui.

Embriagarei teu corpo com meus desejos,
Enlouquecerei tua boca com meus beijos,
Tocarei teus seios com meus dedos;
E suave como pluma,
Repousarei meu corpo sobre ti.

Não tema, não corra,
Que hoje estou alucinada de tesão.
Tenha calma, sem medo;
Hoje quero ter nas mãos teu coração.

Agora ordeno que te abras!
Mostra-te para mim!
Quero saborear teu sexo,
Ficar impregnada de teu gosto e de teu cheiro,
Roçar minha boca, minha cara toda,
Nesses pelos macios,
Passear de língua dentro desse paraíso molhado.

Ordeno que te abras bem,
Quero penetrar-te inteira,
Entrar inteira;
Desrespeitosamente.
Arreganhar tuas entranhas,
Invadir teu útero,
Passear pelos teus órgãos,
Abusar de ti impiedosamente.

Ficarei completamente dentro de ti.
E alcançando teu coração,
De mãos postas, punhos cerrados e firmes,
Terei enfim o teu amor na minha mão.

Ninguém jamais te amou ou te amará mais do que eu.
Ninguém.



Cacau Rodrigues

sábado, 1 de dezembro de 2007

GUARDE-ME


GUARDE-ME


Guarde-me em ti, ó bem amada...
Guarde-me em ti serena e clara.
Guarde-me que é noite amargurada...
Guarde-me de tudo que eu lembrara.


Faça-me teu sonho, teu novelo,
E deixa que eu te amarre como laços.
E frágil como um fio de cabelo,
Desmaia o teu corpo em meus braços.


Sim, ó bem amada eu te peço,
Que, muito mais que eu, sejas feliz.
Busca em mim o grau do teu excesso,
Afaste-te dos pensamentos vis.


E então quando não mais tiveres força,
Descansa o peito nu em meu cansaço.
Submeta teu amor, ó linda moça...
E adormeça essa mulher em meu abraço.


Cacau Rodrigues

POESIA E GOZO


POESIA E GOZO

Vem!
Não visto nada agora.
Resolvi te esperar nua;
Resolvi te escrever nua;
Deixar meus versos
Percorrerem o meu corpo,
Que te procura,
Te chama,
Te espera.
Quero deixar minhas palavras
Roçarem uma a uma
Pela minha boca, seios, face...
Implorar que desçam
E me peguem assim,
Me fazendo fêmea.
Quero as rimas se embrenhando
Em meus pelos,
Sempre tão bem cuidados
À tua espera;
Eu quero sentir essa poesia
Entrando em mim,
E me rasgando,
Penetrando,
E me molhando
Como jamais permiti.
Estou pensando em ti,
Minha amada!
Lembrando de tua língua...
Não suporto mais esperar!
Vem logo!
Que as estrofes
Estão me enlouquecendo!
São letras que me beijam,
Acentos que me comem,
Vírgulas que me lambem,
Pontos vadios
Que encontram o jeito
Do meu querer...
Estou à beira da loucura,
Pensando em ti,
À beira do prazer.
Meu sexo lambuza os versos;
E os versos,
Diversos,
Penetram, alisam, sugam
O meu sexo
Alterado de tesão.
Vem, querida!
Deixe tudo aí,
Que acabei de ser invadida
Por uma exclamação,
Uma interrogação;
E todos estão abusando de mim.
Salve-me!
Um Q está aqui atrás!
E um N já roça entre minhas pernas,
Como nós,
Quando nos entregamos
Nesse amor de duas.
Já não suporto!
Estou louca nessa cama,
Nua, molhada,
Entre lençóis e travesseiros,
Comida por meus dedos,
E todos os versos que eu mesma fiz.
Enquanto você não chega, meu amor;
Eu preciso abrandar essa loucura,
E esfregar-me toda...
Não tenho mais o controle de mim.
Agora sim,
Que meus dedos saem lambuzados
De poesia e gozo,
Deixo meus lábios nervosos
Provarem do meu gosto,
Em nome do teu gosto.
E com uma certa brandura em meu rosto,
Repousarei entre expressões e métrica.
Vou esperar a porta abrir,
Pra ser teus versos, tuas rimas,
Quem sabe o teu Q;
E te comer enlouquecida,
E ser comida com loucura
Por você.


Cacau Rodrigues